Obesidade infantojuvenil


124 milhões

de crianças e jovens com obesidade no mundo


5x

maior probabilidade de
obesidade
na vida adulta


1/3

No Brasil, uma em cada três crianças estão com excesso de peso (sobrepeso ou obesidade)

No mundo, cerca de 40 milhões de crianças com menos de 5 anos e 340 milhões de crianças e adolescentes de 5 a 19 anos apresentam sobrepeso ou obesidade e se as tendências atuais continuarem, haverá mais crianças e adolescentes com obesidade do que com desnutrição moderada e grave até 2022  segundo as análises publicadas na da The Lancet em 2017.

No Brasil os índices de sobrepeso e obesidade refletem os padrões mundiais. A realidade do estado do Rio de Janeiro destaca-se com valores acima da média nacional em todas as faixas etárias infantojuvenis, segundo informações do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional do Ministério da Saúde. ​

O consumo excessivo de açúcar, gorduras saturadas, processados e ultraprocessados, a propaganda de alimentos não saudáveis direcionadas ao público infantojuvenil e a inatividade física são alguns dos fatores que preocupam atualmente organizações nacionais e internacionais quanto ao aumento da obesidade.

Prevenir e reverter o excesso de peso em crianças e adolescentes é fundamental por vários motivos: ​

  •  Ganhar excesso de peso na infância e na adolescência pode levar ao sobrepeso e à obesidade ao longo da vida; ​
  • O excesso de peso na infância e na adolescência está associado a um maior risco e início precoce de doenças crônicas, como o diabetes tipo 2; ​
  • A obesidade na infância e adolescência tem consequências psicossociais adversas e reduz o nível de escolaridade; ​
  • Crianças e adolescentes são mais suscetíveis ao marketing de alimentos do que adultos, o que torna necessária a redução da exposição das crianças a alimentos obesogênicos.

Fonte:
NCD Risk Factor Collaboration. The Lancet, v.390, p.2627–42, 2017.Simmonds et al. Obes rev, n.17, v.2, p.95-107, 2015.Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN), 2018.

Ambientes Alimentares

Alimentação saudável não é uma escolha, é um direito! 

O comportamento alimentar de crianças e adolescentes sofre diversas interferências, em especial do ambiente em que estão inseridos. Ambiente alimentar é definido pelos ambientes físico, econômico, político e sociocultural onde um indivíduo vive, estuda ou/e trabalha e que podem afetar a qualidade da alimentação e o estado nutricional dos indivíduos e da população. Um ambiente que propicie bons hábitos alimentares é capaz de influenciar no desenvolvimento de um comportamento alimentar saudável e prevenir doenças crônicas não transmissíveis, como a obesidade.  ​

A obesidade infantil já se tornou uma epidemia no Brasil. Em 2019, de acordo com o Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) do Ministério da Saúde, 7% das crianças menores de 5 anos e 13,25% das crianças de 5 a 9 anos, acompanhadas na atenção primária, foram diagnosticadas com obesidade. Para muitos, são apenas números, mas, para crianças e adolescentes que vivenciam o estigma da obesidade, trata-se de prejuízos ao seu pleno desenvolvimento físico e emocional.​

Apenas a educação alimentar e nutricional de forma isolada não bastam enfrentamento da obesidade infantil. Além disso,  alimentação saudável não é simplesmente uma questão de escolha individual. Trata-se de um direito garantido pela nossa Constituição e também é obrigação do Estado. Para garantir esse direito, o Instituto Desiderata vem trabalhando para apoiar legislações que restrinjam a venda e a distribuição de alimentos e bebidas não saudáveis e promovam ambientes alimentares saudáveis, em especial o ambiente escolar, de modo a contribuir para o pleno desenvolvimento de nossas crianças e adolescentes. ​

Campanhas

Nossas campanhas têm como objetivo convidar a população, especialmente pais e cuidadores, a olhar de uma forma mais abrangente para os inúmeros fatores que influenciam as altas taxas de obesidade infantil no Brasil e no mundo.​

Eventos

Com o objetivo de fomentar a discussão entre especialistas e sociedade realizamos os seminários sobre obesidade em crianças e adolescentes os eventos trazem discussões atualizadas sobre o tema e discutem estratégias de atuação para mitigar os efeitos do excesso de peso em crianças. ​

Assista abaixo ao nosso último seminário:

Monitoramento

O modo de atuação do Desiderata inclui tomar decisões baseadas em evidências para isso produzimos materiais e documentos técnicos. Em especial, elaboramos o Panorama da Obesidade em Crianças e adolescentes como forma de monitorar os índices do excesso de peso das crianças e adolescentes atendidos na Atenção Primária à Saúde.​

Monitorar o estado nutricional e o consumo alimentar de crianças e adolescentes é uma etapa imprescindível para atuação no problema. ​

Acesse o 1º e 2º Panoramas das obesidade em crianças e adolescentes aqui. ​