Alimentação em tempos de isolamento social

Leia o artigo de nossa Analista de Saúde, Elisa Mendonça, especialista em nutrição e saúde

Estar em isolamento social é um desafio, mas também nos convida a refletir sobre a oportunidade que este período traz para repensar hábitos alimentares de toda a família. O necessário isolamento devido à pandemia da COVID-19 pode ter trazido para muitas pessoas a sensação de estar vivendo um eterno final de semana, o que pode acabar como um convite ao maior consumo de alimentos ricos em açúcar, sal e gordura.


Cozinhar diariamente é uma tarefa doméstica que pode ser extenuante, se for responsabilidade somente de uma pessoa, que em geral é a mulher. Porém, se compartilhada com todos os membros da família, inclusive as crianças, pode ser uma ótima chance de desenvolver habilidades culinárias tão importantes quando falamos de alimentação saudável.


É importante lembrar que uma alimentação saudável é feita da chamada comida de verdade, que privilegia o uso cotidiano de alimentos in natura ou minimamente processados, com poucos alimentos processados e quase nenhum ultraprocessado.


Os alimentos in natura ou minimamente processados são os consumidos na forma como são retirados da natureza, como é o caso das frutas ou legumes ou os que precisam de um mínimo processamento, como retirada de cascas, ou passam pelo processo de torra, como o café, por exemplo. Já os alimentos processados são aqueles que são acrescidos de sal, óleo ou açúcar, como é o caso das geleias e conservas, que devem ser consumidos em moderação. Já os ultraprocessados são aqueles que possuem partes de alimentos e uma longa lista de itens comestíveis que não são comida de verdade, ou seja não possuem valor nutritivo,  como é o caso dos refrigerantes e macarrões instantâneos.


É importante privilegiar receitas que tenham ingredientes que sejam comida de verdade, envolvendo as crianças no planejamento e no preparo das refeições. Assim, os pequenos ficam mais interessados e algumas repulsas ou o medo de experimentar alguns alimentos podem ser superados.


Experimentar novos alimentos, comer mais frutas e legumes é uma das melhores maneiras de criar hábitos alimentares saudáveis, que serão um legado para a vida adulta, assim como o desenvolvimento de habilidades para cozinhar sua própria refeição e do prazer ao fazê-lo.


A culinária possui a potência, de reunir pessoas, transformar, criar hábitos e gerar memórias de afeto e troca entre uma família. Os guias alimentares para a população brasileira (BRASIL, 2014)o guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos (BRASIL, 2019) são publicações que enfatizam e mostram a necessidade de cozinhar para comer de forma saudável. Quem cozinha, em geral, alimenta-se melhor e compartilha memórias, experiências, afetos ao redor da mesa. Como destaca o Guia Alimentar para População Brasileira, “compartilhar o comer e as atividades envolvidas nesse ato é um modo simples e profundo de criar e desenvolver relações entre as pessoas”. 

Nunca é tarde para desenvolver e exercitar essas habilidades! Para saber mais sobre alimentação no contexto da pandemia, acesse esta coletânea de materiais no site do Instituto Desiderata. E, para mais inspirações sobre o cozinhar em casa, o site Panelinha, da cozinheira Rita Lobo, é sempre uma boa pedida.